Seguidores

Recanto das letras

terça-feira, 20 de junho de 2017

FRAGILIDADE!

 
Até ontem estavas ali, tão linda, oh, flor,
Transpiravas saúde, beleza e cor,
Hoje, ao passar te vejo, jogada ao chão,
Inerte, esquecida, tendo ao lado um botão...

Quando, este belo jardim, ainda enfeitavas,
Mãos, em tua direção iam, inocente pensavas,
Que a intenção seria, somente, acarinhar-te,
Jamais, extirpar-te a vida, sem dó nem piedade...

Resististe bravamente, ao frio que te congelava,
A noite, pelo vento forte, foste fustigada,
Tuas pétalas pendem, a imagem, me é dolorosa,
E, de meus olhos corre, uma furtiva, lágrima...

Ao ver-te assim, tão bela, no estertor da morte,
Sei, que se esvai de ti, a pouca vida que tiveste,
Recosto-te em meu peito, tentando aquecer-te,
Mas, é tarde e só um carinho... Posso fazer-te...


    Lani ( Zilani Celia)

46 comentários:

  1. Lindo e comovente poema, minha querida Lani! Ler você é viajar por jardins de sonhos!
    Um beijo carinhoso!
    Leninha

    ResponderExcluir
  2. No roseiral cai uma rosa da roseira, ao jardineiro
    caberá fazer rosa crescida do botão, para alegria
    do jardim.
    Um abraço, Lani, e boa semana.
    Pedro

    ResponderExcluir
  3. Olá,querida Célia!
    Um aconchego feito na hora certa ainda que saibamos que pouco vai adiantar ou durar vale muito a pena!
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus, que lindo e emocionante,Lani! Adorei! bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Zilani, pensando bem, deve ser triste a vida das flores de ornamentação! Crescem, ficam lindas e são podadas, arrancadas de seu jardim, para morrerem em poucos dias dentro de um vaso... Essa ideia me veio agora lendo esse teu poema tão triste...
    Beijo, querida amiga, uma linda semana!

    ResponderExcluir
  6. Imaginação perfumada.
    Muito bonito.

    ResponderExcluir
  7. Que bonito poema!Adorável de ler!!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Lindo poema! A beleza e a fragilidade da Rosa!... Ela requer amor, cuidados e sensibilidade para interpretá-la...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Que poema lindo Zilani!
    A rosa tão linda,agora inerte não sorri mais no jardim,já desfalecida despede-se das mãos que a acariciava.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  10. Querida amiga simplesmente maravilhoso ,uma rosa que outrora germinava vida ,padece agora das marcas do tempo que tantas saudades deixa ,muitos beijinhos no coração felicidades

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo poema, Zi. A gente pode fazer até uma analogia entre a rosa e a vida humana.
    Obrigada pela visita. E uma ótima quarta. Beijinhos...

    ResponderExcluir
  12. Muy bello poema.

    Hermosas tus letras.

    Un abrazo. Muchas gracias

    ResponderExcluir
  13. mais uma vez, leio neste espaço um excelente poema.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. Bonito e triste, Zilani. Consola-nos, entretanto, saber que as rosas caídas ao chão tornam-se o adubo, que fará brotar muitas outras, talvez ainda mais belas; como acontece aos nossos sonhos. Bom resto de semana, amiga.

    ResponderExcluir
  15. Comovente, Zilani. Sua habilidade com as palavras é admirável. bjs

    ResponderExcluir
  16. Ela cumpriu seu destino de flor, assim como nós cumpriremos o nosso!

    ResponderExcluir
  17. Oi, Zilani!
    Lindo!A finitude da flor nos mostrando que tudo é cíclico!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, Zilani,
    poema triste contando a curta vida de uma rosa.Pode-se comparar à vida humana, pois quantos
    são jogados para simplesmente morrer. Senti o coração apertar como se a flor estivesse sofrendo muito com tanto descaso. O jardim deve acolher todas as rosas que estejam jogadas ao pé de sua haste. Lindo, música maravilhosa. Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Oi, Zilani, a natureza é assim, bela e efêmera mas vale o instante de viver.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Belíssimo e comovente!
    Não pude deixar de lembrar da ópera 'Una Furtiva Lacrima'. Brava Lani.
    Beijocas e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  21. Um poema muito belo. As flores lembram-nos a brevidade da vida...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  22. Que belo poema Zilani! Sabe, tenho uma paixão pelas rosas, embora nem sei cuidar delas direito...Talvez seja influência do Pequeno Príncipe...Agora mesmo estou com duas mudinhas que ganhei de minha madrinha, são mini rosas amarelas, uma já está com folhinhas, a outra não morreu, mas não despontou folhinhas ainda.Também gosto de observar a existência delas.
    São tão complexas as rosas, já diria o pequeno...
    Ótimo domingo, amei seu poema!!

    ResponderExcluir
  23. Oi Zilane! Desculpe a demora em vir ate esse cantinho repleto de lindas poesias! Estou a escrever meus livros e por isso, esse meu sumiço, mas nunca me esqueço do carinho ! Sempre cito flores em meus textos e aqui, me vejo também.... Belo poema! Alias, tudo muito belo por aqui! Grande beijo e obrigado por sempre estar lá, no meu cantinho! beijos e grande abraço!

    ResponderExcluir
  24. Boa semana, Zilani; aguardo o próximo post.

    ResponderExcluir
  25. Bonito poema, feito de palavras graciosas.
    cumprimentos

    ResponderExcluir
  26. Foi resistindo enquanto pode, a rosa,té que um dia se despediu para sempre do seu caule. A fragikidade da vida está muito bem retratada aqui neste belo poema, Zilani e é pena que tantas vezes nos esqueçamos da sua finitude; um dia seremos nós a partir e não sei se alguém guardará no coração aquelas tantas carícias que demos , enquanto caminhavamos firmes no jardim que criámos à nossa volta; pode não ter sido um jardim sempre florido e bem cuidado, mas foi, de certeza, construido com o melhor que tinhamos dentro de nós. Muito, muito bom, amiga! Obrigada, Beijinhos e fica bem.
    Emilia

    ResponderExcluir
  27. Um poema tão lindo que me fez pensar sobre a vida e a nossa fragilidade. Somos tão frágil, as vezes o que nós falta é apenas um afago, um carinho no momento certo.
    Gostei mundo do poema!
    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  28. Lindissimo poema!
    A roseira fica triste quando suas belas rosas caem,na nossa vida acontece tambem essa fragilidade, precisamos de um carinho no momento certo.
    Gostei muito do poema
    Beijinho

    ResponderExcluir
  29. QUE POEMA LINDO DEMAIS,QUERIDA AMIGA ZILANI! É BEM UMA METÁFORA SOBRE NOSSAS VIDAS.QUANDO UM SER HUMANO CAI,OS OUTROS TAMBÉM,POIS SOMOS TODOS OBRAS DE UM SÓ CRIADOR,PARTÍCULAS DELE.

    AMIGA. FIQUEI FELIZ AO LER SEU COMENTÁRIO HOJE,TERÇA-FEIRA,DIA 27.

    MAS VOLTE MAIS VEZES!TENHO TANTOS POSTS!

    SEU BLOG ESTÁ NA MINHA LISTA DE "BLOGS A VISITAR",À DIREITA DO MEU COM SEU NOME AO LADO PARA RECEBER SUAS ATUALIZAÇÕES. SÃO MEUS BLOGS FAVORITOS,DE AMIGOS QUE ME SEGUEM HÁ MUITOS ANOS COMO VOCÊ!

    AMO SEU ESPAÇO E AS PÉROLAS QUE ESCREVE.

    VOLTE SEMPRE E OBRIGADA POR SEU GENTIL COMENTÁRIO.SAUDADES DE VOCÊ!

    BEIJOS SABOR CARINHO ,UMA NOITE DE TERÇA DE PAZ PROFUNDA.

    DONETZKA

    Blog Magia de Donetzka

    ResponderExcluir
  30. Belíssima e tocante inspiração!...
    Nunca fotografo, uma flor, que não esteja no seu ambiente próprio...
    Palavras que nos fazem pensar na fragilidade da vida...
    Adorei o poema! Beijinhos! Feliz e inspirada semana, Zilani!
    Ana

    ResponderExcluir
  31. ¡Hola Zilani!!!

    Bellísimo poema, una dedicatoria a esa rosa marchita, pobrecita ella que le han cortado la vida. También estará triste la abeja que en ella ya no liba.

    Me ha encantado y te dejo un cariño. Un abrazo y feliz verano

    ¡No cortes rosas
    que en tu pecho florecen,
    aromas sueltan!...

    Su néctar es alimento
    de las abejas altaneras

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde Zilani! Teu poema tão belo e bem construído revela muito bem a generosidade da natureza, que tudo nos dá sem pedir, e nos entrega até a vida de suas frágeis criaturas. Animais, plantas, todos morrem para nosso uso e consumo. As doces e velhas árvores tombam sem um grito, chorando sua seiva, enquanto o machado sem piedade as machuca.
    Algumas pessoas são assim, também...doam-se generosamente, sem pedir nada em troca...é o mais alto e sublime amor a que se pode chegar.
    Um grande abraço!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  33. Olá Zila, um ode à efemeridade da rosa, seus versos nos remete refletir sobre a efemeridade da vida que não é não tão breve quanto a da rosa, mas tem a sua brevidade determinada.
    Parabéns pelos lindos versos.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  34. Lindíssimo, Lani!
    O poema emociona pela delicadeza e sensibilidade.
    Há um cliclo para toda vida existente no planeta, mas nunca deveríamos concorrer para antecipar a finalização de qualquer um deles.

    Muito grata pelo carinho e amizade durante esta nossa jornada blogueira. Interagir com você foi um presente, pois suas poesias são puro encanto e emoção.
    Continuaremos a nos falar pelo face, se Deus quiser!
    Tudo de melhor em sua vida!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  35. Boa tarde amiga! Amei sua postagem, como sempre cuidadosamente elaborada.Belíssimo poema, doce, saudoso e ao mesmo tempo emocionante! Um final de semana de muita paz e uma nova semana feliz e abençoada com muitas esperanças de dias melhores.
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  36. Boa noite td bem por aqui....
    Vim fazer minha visita e ,convidar vc
    para uma brincadeira la no meu cantinho
    Será um prazer sua participação, e parabéns
    pelo belo post
    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  37. Qual mero versejador
    Que o traquejo me completa
    Aqui vejo que o poeta
    É poeta se a alma o for.

    Minha alma sem tal pendor
    E sendo sempre discreta
    Faz meu ser ter sua meta
    De versejar o esplendor

    Da luz que o poeta tem
    Crente que eu possa também
    Fazer versos bonitinhos

    Não feito poeta. E sem
    Essa alma, coisa do além,
    Sigo por outros caminhos.

    Belo poema o seu, Zilani. Parabéns. Abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  39. Te deseo una semana muy feliz.
    Muchas gracias.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  40. Olá, Zilani!
    Que lindo poema, fez-me lembrar minha infância, quando ficava horas no pequeno jardim de minha casa observando as rosas e imaginando que era um jardim de princesa, rsrsrs.
    A natureza merece o respeito do seu tempo, procuro ensinar isso aos meus alunos. Abraços!

    ResponderExcluir
  41. Aguardo o próximo post, Zilani, e te desejo uma boa semana!

    ResponderExcluir
  42. Assim como nós, ela também veio para cumprir uma missão. Embelezou e perfumou dois ambientes, o jardim e o lar. Lindo o teu poema Zilani.

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  43. Oi Lani, boa noite!
    Vim para te dar um abraço querida, um beijo e desejar uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  44. Encantador seu poema, sua inspiração e sua sensibilidade diante da fragilidade da flor, a qual, na minha leitura, representa a vida. Beijos!

    ResponderExcluir
  45. Profundo e emocionante.
    Muitas vezes temos que carregar a beleza na lembrança e no coração. Ao tentar trazê-la fisicamente, deixamos de respeitar o que Deus criou.
    Comovente!

    Abraços esmagadores e feliz dia.

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.